Notícias

Socorro! Estamos exportando consumidores

15/08/2012 por Leon Araújo

“No mundo emergente, apenas três países têm carga tributária mais alta do que o Brasil”

Por Ricardo Amorim
Fonte: Revista ISTOÉ

Na semana passada fui a Nova York a trabalho. Como bom brasileiro, aproveitei para fazer umas comprinhas. Fiquei chocado. Em todas as lojas em que entrei, sem exceções, muitos brasileiros também compravam. Políticas econômicas equivocadas estão exportando nossos consumidores. Fico imaginando o que estará acontecendo em Miami…

Há tempos se afirma que as dificuldades da nossa indústria são causadas por um real excessivamente forte. Com esse diagnóstico, o governo taxou investimentos estrangeiros e gastos em viagens, dificultou a entrada de produtos importados por meio de mais impostos e medidas regulatórias, e acumulou muitos bilhões de dólares em reservas internacionais. Sozinha, a última medida custará mais de R$ 50 bilhões só neste ano. Somadas a uma conjuntura internacional, que reduziu nossas exportações e levou multinacionais europeias e americanas a repatriarem capitais, tais ações impulsionaram a cotação do dólar de R$ 1,50 a pouco mais de R$ 2 nos últimos meses.

Problema resolvido, certo? Não, muito pelo contrário. Este ano, a produção da nossa indústria até agora foi 3,5% menor do que no mesmo período do ano passado. Os desafios para a indústria são muitos, começando pela concorrência com produtos chineses e passando pela contração dos mercados de consumo nos EUA e na Europa e, consequentemente, excesso de capacidade industrial instalada no mundo após a crise de 2008. Some-se a isso uma enorme mudança socioeconômica no País desde 1994 que se acelerou nos últimos anos.

Só entre 2005 e 2011, 47 milhões de brasileiros emergiram das classes D e E, passando a gastar uma parcela maior de sua renda com serviços – telefonia, educação, turismo, saúde – e menor com produtos industrializados.

Não deveria surpreender a ninguém que a indústria foi, sistematicamente, o setor com o pior desempenho da economia brasileira nos últimos anos. Desde 2004, o varejo e o atacado, impulsionados por uma forte expansão de renda e crédito, cresceram mais do que a indústria em todos os anos. Não apenas as vendas, mas também os preços do setor de serviços vêm crescendo mais do que na indústria. O agronegócio e toda a cadeia de matérias primas metálicas, minerais e de energia cresceram e tiveram ganhos de preços ainda maiores, alimentados pela fome chinesa. Por fim, impostos elevados e baixos investimentos em infraestrutura, devidos a altos gastos públicos e desvios de verbas, prejudicam particularmente a indústria.

A novidade que percebi nas lojas de Nova York é que os efeitos maléficos da carga tributária sobre a competitividade e o crescimento brasileiro atingem, cada vez mais, setores tradicionalmente protegidos, onde não havia competição internacional. Maior facilidade de transporte e avanços do comércio eletrônico permitem que produtos antes adquiridos na lojinha local sejam agora comprados em qualquer lugar do planeta.

Por que tudo aqui é tão caro? Impostos. No mundo emergente, apenas três países têm carga tributária mais alta do que o Brasil. Ao tornar produtos feitos ou vendidos no Brasil mais caros do que no resto do mundo, nossos impostos estimulam os consumidores brasileiros a comprar em outros países, debilitando não apenas a indústria, mas também os setores de comércio e serviços. Até quando?

Um comentário sobre “Socorro! Estamos exportando consumidores”

  1. Wanderley Sucigan disse:

    Meu Senhor esta sua descoberta é igual ao descobrimento da RODA em 2012, e a Reportagem é totalmente despropositada posto que “isto” do officeboy ao Presidenta todos sabem, e a tantos anos que já perdi a conta.
    Se isto é novidade para o Senhor,posso lhe contar mais algumas histórias neste mesmo seguimento,que se isto lhe assustou, vai se suicidar …….

    Acorda Senhor,Acorda ISTO É,,,acorda PNBE façam alguma coisa de concreto, não vir a nós simples mortais fazer este tipo de denuncia,,,,,,,,,,

Comente

*

Notícias Recentes


Apoio Institucional




Newsletter

Carregando...Carregando...



Jurômetro

Rua Barão de Itapetininga, 151 - cj 144 - 14º andar - República - 01042-909 - São Paulo SP
fone/fax (11) 3284-8687 - email: pnbe@pnbe.org.br
Copyright @ 1987-2012 PNBE - Pensamento Nacional das Bases Empresariais. Todos os direitos reservados